Página do projeto foi lançada no Catarse

A página do projeto de documentário “Pinheirinho – um ano depois” foi lançada nesta última sexta-feira no site do Catarse. Assim, agora já é possível que todas as pessoas possam colaborar com o projeto para que possamos produzir o filme e dar voz à história dos moradores do Pinheirinho desde o momento da reintegração de posse, realizada no dia 22 de janeiro de 2012.

As contribuições podem ser feitas a partir de R$ 10,00 e, como incentivo para conseguir mais colaboradores, pensamos em uma série de recompensas que serão oferecidas a cada colaborador de acordo com o valor de sua contribuição. Desde o nome nas páginas de agradecimento do projeto neste blog e nas redes sociais, passando por ter o nome incluído nos créditos, uma camiseta exclusiva do projeto de documentário, um DVD especial e até mesmo participar da noite de pré-estréia do filme que estamos organizando para ser realizada em São José dos Campos.

PARA SABER MAIS COMO CONTRIBUIR COM O PROJETO, nossos objetivos extras e os valores das colaborações, visite nossa página no site do catarse.

Um fim de semana bastante produtivo

Conforme havíamos adiantado por aqui, nesta última sexta-feira entrevistamos o Senador Eduardo Suplicy para colher os depoimentos de sua participação nas negociações que tentaram evitar a reintegração de posse do Pinheirinho, além de sua percepção sobre a situação atual dos ex-moradores daquela comunidade e a possibilidade de uma solução definitiva para o problema de moradia daquelas pessoas.

A entrevista foi realizada em um café dentro do prédio da Faculdade Getúlio Vargas (FGV) e durou aproximadamente 50 minutos, os quais tentamos aproveitar o máximo.

Foto por Jean Gold

Equipe de produção do documentário durante entrevista com o Senador Eduardo Suplicy.

Como havíamos adiantado, Suplicy nos falou sobre a importância de se continuar divulgando informações sobre o Pinheirinho, uma vez que depois que a desocupação já foi realizada, a grande mídia e, consequentemente, boa parte da população, se esquece que aproximadamente oito mil pessoas seguem sem uma solução definitiva para o problema de moradia, isto é, correm o risco de estarem novamente desabrigadas quando acabar o prazo de concessão do benefício do aluguel-social, em dezembro deste ano.

Para não perdemos o pique, no sábado fomos a São José dos Campos para colher imagens da assembleia dos moradores, que ocorre quinzenalmente, onde aproveitamos para entrevistar Marinalva e Juarez, que sofreram o processo de desocupação em janeiro deste ano, além de entrevistar o Marrom, líder comunitário do Pinheirinho.

Foto por Jean Gold

Ex-moradoras do Pinheirinho se encontram em Assembleia realizada no Campão do Campo dos Alemães, em 04 de agosto de 2012.

Portanto, com um fim de semana bastante produtivo, conseguimos coletar material mais do que suficiente para começarmos a produção do vídeo de divulgação a ser veiculado no site do Catarse. Assim, nos próximos dias estaremos dedicados à preparação deste vídeo, editando e montando as muitas horas de imagens que já filmamos, para tentar garantir a captação de fundos que precisamos para executar nosso documentário. Contamos com a colaboração de todos os amigos.

Conheça o projeto

Pinheirinho, um ano depois é um projeto de documentário que tem o objetivo de registrar como vivem as famílias que moravam na antiga comunidade do Pinheirinho um ano após a violenta reintegração de posse realizada pela Polícia Militar de São Paulo, em 22 de janeiro de 2012.

Através desse registro documental, queremos dar voz  às pessoas que viveram o trauma da desocupação para que contem suas histórias e relembrem à sociedade que elas seguem vivendo sob o risco de retornarem à condição de desabrigadas com o fim do aluguel-social, além de permanecerem sem nenhuma perspectiva de solução definitiva para o seu problema de habitação.

O filme tem como foco central os ex-moradores da comunidade do Pinheirinho e seus depoimentos de como tem vivido desde que foram retirados de suas casas. Contudo, para darmos uma ideia mais aprofundada sobre o que ocorreu logo após a desocupação e as oportunidades de resolução definitiva do acesso à moradia adequada, o projeto também pretende dar voz a outros atores que participaram ativamente de todo o processo de desocupação, como os políticos envolvidos nas negociações que antecederam a reintegração de posse, os intelectuais e estudiosos da questão da habitação e moradia no Brasil, representantes de órgãos de proteção aos Direitos Humanos, líderes comunitários, advogados, juízes, defensoria pública, promotores de justiça, representantes da Procuradoria Geral do Estado, representantes das três esferas de poder envolvidas na questão (municipal, estadual e federal), além do proprietário do terreno em questão ou seus representantes.

A página SOBRE explica detalhadamente o projeto e, inclusive, dá detalhes de como você poderá contribuir com o mesmo, unindo esforços com a equipe de produção. Não deixe de entrar na página para saber mais.

Pinheirinho: tiraram minha casa, tiraram minha vida

Dirigido pelo cineasta independente argentino Carlos Pronzzato, o documentário narra a violenta operação de reintegração de posse da comunidade do Pinheirinho realizada pela Polícia Militar de São Paulo e Guarda Civil Metropolitana de São José dos Campos, em 22 de janeiro de 2012.

Segundo o próprio diretor: “Este documentário narra os percursos de uma luta contra um Estado que não é de todos, mas apenas de uma minoria.”

O foco do filme, claro, está nas pessoas que sofreram a reintegração de posse, contendo bastante depoimentos dos ex-moradores e, até mesmo, imagens gravadas por eles próprios com suas câmeras em celulares. O objetivo é explicar como se deu essa operação e, talvez por isso, o diretor se concentra  nos dias de negociação e tensão que a antecederam, nas diversas imagens da cobertura jornalística durante a operação e nos dias imediatamente posteriores, visando documentar a violência do Estado contra aquela comunidade, as violações contra os direitos humanos sofridos por aquela população e, também, colher a opinião de diversos especialistas sobre as questões jurídicas que envolveram a desocupação daquela área.

Lançado nacionalmente no dia 03 de março de 2012, durante as comemorações dos oito anos da ocupação do Pinheirinho, o documentário foi exibido para os próprios moradores da comunidade no local onde eles ainda continuam se reunindo em assembleia todos os sábados: o Campão do Campo dos Alemães, em São José dos Campos.

PINHEIRINHO: tiraram minha casa, tiraram minha vida

“A neblina do amanhecer de 22 de janeiro de 2012 deu lugar à fumaça das bombas arremessadas contra a população de Pinheirinho, bairro popular organizado a partir de uma ocupação em São José dos Campos, São Paulo. As terras pertecem a um milionário especulador, que por 30 anos nunca as utilizou nem pagou impostos. Mas o Estado, ao invés de prendê-lo ou confiscar as terras, perdoou boa parte da dívida e devolveu-lhe o terreno, expulsando as mais de 1800 famílias que ali estavam desde 2004. Animais de estimação, livros, fotografias, brinquedos – todos silenciam, violentados, em meio às ruínas. Mas o Pinheirinho resiste. Este documentário narra os percursos de uma luta contra um Estado que não é de todos, mas apenas de uma minoria.”

Direção: Carlos Pronzato
Edição: Flávio Galvão
Pesquisa: Fábio Sosa
Produção: Rafael Beverari